Mensagem Bodas de Papel



autor Mulherzinha Ligo antes das cinco pra não parecer que ele é a última opção da minha agenda. Dou três opções de restaurante e ele escolhe logo a primeira. Combino de passar umas oito e meia, mando uma mensagem quando estiver na esquina. Aviso que vou atrasar dez minutos. Embico na garagem pra ele não tomar chuva. Pergunto se o ar condicionado está muito forte. Dirijo com uma mão no volante e outra na perna dele. Elogio que ele aparou um pouco a barba, coisa que ele adora pois fui a única a reparar. O manobrista do restaurante abre primeiro a porta dele. Se assusta que é um homem onde eu deveria estar sentada. Entrega o papel do estacionamento pra mim, contrariado, enquanto meu parceiro já está bem distante. Escolho fumante pra agradá-lo mas por sorte sou informada que essas mesas não existem mais. Digo a ele que tudo bem, podemos ficar no frio, na parte de fora. Ele diz que ELE não está a fim de sentir frio e topa não fumar. Eu chamo o garçom e digo que para mim carne e para ele salmão. Eu escolho a taça de vinho dele, eu não vou beber porque estou dirigindo. Eu pego na mão dele, depois da taça estar quase no final, e pergunto se ele não quer ver a linda vista da minha sacada. Ele sufoca um bocejo charmoso e diz que sim. O garçom entrega a conta pra ele, que aperta os olhos pra enxergar com a lente embaçada. Eu ofereço ajuda pra ver os números e numa agilidade impressionante enfio meu cartão ali dentro e faço a carteira de couro desaparecer da mesa. Incluindo o ticket do estacionamento. Ele está com frio e ofereço meu cachecol novo. Ele elogia o perfume e continua com frio. Entendo que são duas aberturas para o abraço. O carro chega e a porta dele já está aberta pelo manobrista, a minha eu mesmo abro com dificuldade porque os carros tiram a maior fina do meu corpinho congelado. Morro de vergonha que o carro está com cheiro ruim, pra variar, o manobrista sacaneou. Abro os vidros e não digo nada pra não ser rude. Coloco música baixinha pra gente falar baixinho. Paro na farmácia pra comprar camisinha mas dou a desculpa que é um antigripal qualquer. Ele faz que acredita e espera dentro do carro comportadinho e sorrindo. O cara do caixa quer me lançar um olhar mas na hora tem medo de me encarar. Acendo as velas novas que ganhei. Coloco minha estrela azul na tomada que dá o clima perfeito. O cd novo do Beck. Ele está nervoso, comentando sem parar das minhas fotos e livros e cortinas. Eu faço ele parar de falar finalmente. Depois de tudo, ofereço levá-lo e me faço de ofendida quando ele cogita um taxi. Ele pergunta se pode dormir comigo, eu apenas sorrio e apago a luz. Ele acende a luz e pergunta se pode ligar pra avisar uma pessoa. Ele liga pra mãe, que não gosta muito. Ele volta envergonhado pra cama. Mas eu, educada, finjo que já estou dormindo. No dia seguinte eu ligo pra dar bom dia. Ele me avisa que vai viajar no feriado. Eu pergunto com quem e ele diz que aí já estou querendo saber demais. Ele volta a ser homem. Eu desligo e, aliviada, choro como uma mulherzinha. (Tati Bernardi)

Conceitos relacionados: cinco antes última parecer mulherzinha ligo

' 0.0/5 (0 votos)
Por: admin
autor - Sobre todos aqueles que ainda continuam tentando, Deus, derrama teu sol mais luminoso. - E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. - Sem rancor, sem saudade, sem tristeza. Sem nenhum sentimento especial a não ser a certeza de que, afinal, o tempo passou. - (…) Escutei uma espécie de silêncio. Que talvez estivesse dentro de mim. - Continue andando. Enfrente seus problemas de cara. Reaja. Vai. Tá pensando que é só você que sofre? - Às vezes a gente vai-se fechando dentro da própria cabeça, e tudo começa a parecer muito mais difícil do que realmente é. - Preciso de um colo que ninguém dá. Mas tudo bem. - Eu queria que não fosse assim, que não tivesse sido assim. Mas não consegui evitar. - É dificil aprisionar os que têm asas. - E lembro tão bem que ainda que não tivesse sido ontem, continuaria sendo ontem na memória. - Rezo a Deus, pedindo não cargas mais leves, e sim ombros mais fortes. - É que sempre que penso em ser feliz, você me vem a cabeça. - Que o teu afeto me afetou é fato. - E se eu te olhar cem vezes, acredite, em cada uma delas estarei me apaixonando um pouco mais. - Não sei fazer jogo social. Até saberia, mas não me interessa, tenho preguiça. - Finalmente algo de bom no Youtube, VEJAM: migre.me/7Kd5O - Uma coisa que eu aprendi na vida: Deus não te tira as coisas, ele te livra delas. - Eu te amo virou uma frase tão romântica quanto me passa o açúcar. - Eu sinto ciúme quando alguém te abraça, porque por um segundo essa pessoa está segurando meu mundo inteiro. - Amanhã é outro dia, aprendi isso ontem. - Nunca, jamais diga o que sente. Por mais que te doa, por mais que te faça feliz. Quando sentir algo muito forte, peça um drink. - Eu vou deixar pra lá, fingir que esqueci, agir como se não importasse. O que é verdadeiro, volta e quem tem que ficar, fica. - E nessa de cuidar, vou cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. - Eu comecei minha faxina. Tudo o que não serve mais (sentimentos, momentos, pessoas) eu coloquei dentro de uma caixa. E joguei fora. - Uma coisa que eu aprendi na vida: Deus não te tira as coisas, Ele te livra delas. - Você é um(a) idiota. É um(a) babaca cretino(a) e sabe disso. Você frusta todas as expectativas que eu já tive em relação à alguém pra mim. - Se a vida é um circo, serei eu o palhaço? - Engole teu coração e se ama por dentro. - Uma dose de amnésia, e duas de desapego, por favor. - Sabe quando você lembra do sorriso dele, e involuntariamente você sorri também? Então.. - Foram tantas brincadeiras, tantas conversas, tantas risadas e olhe agora. Nem conversamos mais. - Não sinto raiva, não sinto nada. Sinto saudades, de vez em quando. Quando penso que poderia ter sido diferente. - Sabe o tal do amor-próprio? Então, tô ficando com ele e nossa relação anda ótima! - Sem rancor, sem saudade, sem tristeza. Sem nenhum sentimento especial a não ser a certeza de que, afinal, o tempo passou. - Eu dizia que gostava de você, que sentia saudade de você, que eu precisava de você, que eu não conseguia viver sem você. Mas não era amor. - Preciso sim, preciso tanto. Alguém que aceite tanto meus sonhos demorados, quanto minhas insônias insuportáveis. - Meio sem esperança, as ilusões despedaçadas, o coração taquicárdico, língua seca, e continuando. Continuando. - O que é seu encontrará um caminho para chegar até você. - Eu queria que em um dia qualquer, você chegasse de fininho, me abraçasse apertado e dissesse: Senti sua falta. - Supere isso e, se não puder superar, supere o vício de falar a respeito. - Uma pessoa não precisa estar a vida inteira ao seu lado para se tornar única e inesquecível. - Nunca se esqueça: quando um capítulo termina, outro começa. - Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. - Hoje, quero passar dos limites da aparência e achar o que há de mais lindo no coração. - Bonito mesmo é essa coisa da vida: Um dia, quando menos se espera, a gente simplesmente supera. - E quem pode comigo, quando eu digo tudo que sinto? - Tem coisas que a gente vai deixando de ser e nem percebe. - Ô menina, veja bem… Ouça uma boa música, leia um bom livro e bola pra frente. Pode parecer clichê, mas funciona. Vá por mim. - Fé, cabeça erguida e esquece as maldades do mundo. - O tempo tem uma forma maravilhosa de nos mostrar o que realmente importa. - Choro sozinho no escuro, e você não enxuga as minhas lágrimas. - Não é fácil, muitas vezes eu me sinto sufocar de saudade, de vontade de estar perto. - Se não brilha mais, não insista. Lâmpada queimada não se arruma. Se troca por outra. - Pegue tudo a que você tem direito, e nós temos direito a absolutamente tudo de bom. - Eu ando fingindo muito. Finjo que não importo, finjo que não quero, finjo que não sinto, finjo que não vejo, finjo que esqueço. - Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. - Sempre chega um momento em que até o bom se torna insuportável. - Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo. - Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? Supera, suporta, entenda. - Vamos fazer assim: você não existe, que eu não te desejo. - Força e fé. Dai-me força, dai-me fé e dai-me luz. - Nada é eterno. O café esfria, o cigarro apaga, o tempo passa, as pessoas mudam… - O tempo corre e a gente vai descobrindo jeitos de se proteger. - Quero outra vez um quarto todo branco e um par de asas. Mesmo de papelão! - Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras – e por tudo isso, ando cada vez mais só. - E eu serei forte, mesmo se tudo der errado mais uma vez. - E se me perguntarem como estou, eis a resposta: Estou indo. Sem muita bagagem. Pesos desnecessários causam sempre dores desnecessárias. - Fiz fantasias. No meu demente exercício para pisar no real, finjo que não fantasio. E fantasio, fantasio. - Talvez, ele volte. Ou não. - Talvez, ele perceba que você faz falta e diferença, de alguma forma, numa noite fria. - Já chorei muito, já doeu muito esse coração… - Resolvi ser feliz porque é melhor para a saúde. - Preciso sim, preciso tanto. Alguém que aceite tanto meus sonhos demorados, quanto minhas insônias insuportáveis. - Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. - Sabe de uma coisa? Eu desisto das pessoas. - Existe sempre alguma coisa ausente. - É em você que eu penso, é de você que eu gosto, é pra você que eu volto… Sempre. - Eu não quero viver longe de você. Digo, viver sem falar contigo, sem saber como foi o seu dia, o que você fez, como esta se sentindo. - Meu medo não é te perder pra alguém melhor… É te perder pra alguém que não te ame tanto quanto eu. - E se me perguntarem como estou, eis a resposta: Estou indo. Sem muita bagagem. Pesos desnecessários causam sempre dores desnecessárias. - Não vou atrás de ninguém. Não mais. Eu não quero me apegar em ninguém, não quero precisar de ninguém. - Foram tantas brincadeiras, tantas conversas, tantas risadas e olhe agora. Nem conversamos mais. - Acalma esse coração, pequena, que desespero nunca resolveu problema. - Às vezes, sinto falta, às vezes, acho que é um alívio estar longe... - Daqui a 50 anos eu ainda vou saber seu nome e vou me lembrar de todas as vezes que você me fez sorrir. - Hoje eu só queria ouvir: eu te procurei pra saber se você está bem. - Não é fácil, muitas vezes eu me sinto sufocar de saudade, de vontade de estar perto. - Ultimamente não estou esperando coisas boas, e nem ruins, de nada e nem de ninguém. Por mim, tanto faz, cansei de criar falsas expectativas. - Sabe o tal do amor-próprio? Então, tô ficando com ele e nossa relação anda ótima! - Se não fosse amor, não haveria planos, nem vontades, nem ciúmes, nem coração magoado. - Se não brilha mais, não insista. Lâmpada queimada não se arruma. Se troca por outra. - Parei de trabalhar. Parei de ser e de fazer qualquer outra coisa além de esperar que ele voltasse. - E Deus continua sussurrando: Não desista, o MELHOR ainda está por vir. - Eu queria que em um dia qualquer, você chegasse de fininho, me abraçasse apertado e dissesse: Senti sua falta… - Eu te amo. Mesmo negando. Mesmo deixando você ir. Mesmo não te pedindo pra ficar. Mesmo estando longe, eu te amo. E amo mesmo. - Eita, que menina doida! Fala sozinha e ama também. - Todo mundo tá comentando: migre.me/7HhW3 =o - Para provar novos chás, é preciso esvaziar a xícara. - Aquilo que não te acrescenta, em nada te fará falta. - Fiz fantasias. No meu demente exercício para pisar no real, finjo que não fantasio. E fantasio, fantasio. - Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras - e por tudo isso, ando cada vez mais só. - Sempre acabava gostando das malditas pessoas e todas as suas loucuras. - Eu ando tomando o rumo certo agora, me deseje sorte. - Não foi nada. Deu saudade, só isso. De repente, me deu tanta saudade. - Talvez o mal é que a gente pede amor o tempo todo. - Tô exausto de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém. - Não choro minhas perdas, nem temo a inveja e o olho gordo que me rodeiam. Sou de deus, quem não é que se cuide. - Nada é eterno. O café esfria, o cigarro apaga, o tempo passa, as pessoas mudam… - Seus olhos eram de desilusão, de cansaço. Cansada de construir sonhos, planos, fantasias. E depois da desilusão ter de destruir uma a uma. - Tenho repetido que, no que depender de mim, me recuso a ser infeliz. - Você se foi e eu afundei numa melancolia de dar gosto. - Que comece agora e que seja permanente essa vontade de ir além daquilo que me espera. - Foi por não ser vela que o vento não apagou. Era vagalume, tinha uma vida inteira pra brilhar! - E te cuida, por favor, te cuida bem. Não é porque estás longe que não te quero bem. - E se me perguntarem como estou, eis a resposta: Estou indo. Sem muita bagagem. Pesos desnecessários causam dores desnecessárias. - Talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor. - E apesar do meu medo há em mim uma paz enorme que eu chamo de felicidade. - Porque aprendi, que a vida, apesar de bruta, é meio mágica. Dá sempre pra tirar um coelho da cartola. - Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria. - Então me sinto protagonista de um filme chamado: Criaturas que o mundo esqueceu. - Sobre todos aqueles que ainda continuam tentando, Deus, derrama teu sol mais luminoso. - Não consigo mais aceitar relações pela metade. Em outras palavras, raspas e restos não me interessam. - Força e fé, repete comigo: dai-me força e dai-me fé, dai-me luz. - Tenho repetido que, no que depender de mim, me recuso a ser infeliz. - Pode parecer meio ambicioso, mas gostaria de ajudar a transformar este mundo numa coisa melhor. - PRA QUEM TEM AENTRE 13 À 25 ANOS: migre.me/7Gq7T - Desnecessário é sofrer por alguém que você sabia que nunca iria dar certo. - Não sinto raiva, não sinto nada. Sinto saudade, de vez em quando. Quando penso que poderia ter sido diferente. - E eu serei forte, mesmo se tudo der errado mais uma vez. - Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras; e por tudo isso, ando cada vez mais só. - Então me sinto protagonista de um filme chamado: Criaturas que o mundo esqueceu. - Aprendi a gostar de viver e ser feliz. - Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. - Essa morte constante das coisas é o que mais dói. - Não se permita entristecer por nada, nem por ninguém. - O futuro é um abismo escuro, mas pouco importa onde terminará a minha queda. - Sonhei que você sonhava comigo. Ou foi o contrário? Seja como for, pouco importa: não me desperte, por favor, não te desperto. - Aquilo que não te acrescenta, em nada te fará falta. - Não sei fazer jogo social . Até saberia ,mas não me interessa , tenho preguiça. - Fiz fantasias. No meu demente exercício para pisar no real, finjo que não fantasio. E fantasio, fantasio. - Amor não resiste a tudo, não. Amor é jardim. Amor enche de erva daninha. Amizade também, todas as formas de amor. - aço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento, cheiros, quero parar de me doar e começar a receber. - Eu ando tomando o rumo certo agora, me deseje sorte. - Sinto uma falta absurda de você. Ficou um vazio que ninguém pre(enche). E penso e repenso e trepenso em você. - Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa. (caio fernando de abreu)

Conceitos relacionados: aqueles sobre tentando ainda continuam

' 0.0/5 (0 votos)
Por: admin


autor Mulherzinha
Ligo antes das cinco pra não parecer que ele é a última opção da minha agenda. Dou três opções de restaurante e ele escolhe logo a primeira. Combino de passar umas oito e meia, mando uma mensagem quando estiver na esquina. Aviso que vou atrasar dez minutos. Embico na garagem pra ele não tomar chuva. Pergunto se o ar condicionado está muito forte. Dirijo com uma mão no volante e outra na perna dele. Elogio que ele aparou um pouco a barba, coisa que ele adora pois fui a única a reparar. O manobrista do restaurante abre primeiro a porta dele. Se assusta que é um homem onde eu deveria estar sentada. Entrega o papel do estacionamento pra mim, contrariado, enquanto meu parceiro já está bem distante. Escolho fumante pra agradá-lo mas por sorte sou informada que essas mesas não existem mais. Digo a ele que tudo bem, podemos ficar no frio, na parte de fora. Ele diz que ELE não está a fim de sentir frio e topa não fumar. Eu chamo o garçom e digo que para mim carne e para ele salmão. Eu escolho a taça de vinho dele, eu não vou beber porque estou dirigindo. Eu pego na mão dele, depois da taça estar quase no final, e pergunto se ele não quer ver a linda vista da minha sacada. Ele sufoca um bocejo charmoso e diz que sim. O garçom entrega a conta pra ele, que aperta os olhos pra enxergar com a lente embaçada. Eu ofereço ajuda pra ver os números e numa agilidade impressionante enfio meu cartão ali dentro e faço a carteira de couro desaparecer da mesa. Incluindo o ticket do estacionamento. Ele está com frio e ofereço meu cachecol novo. Ele elogia o perfume e continua com frio. Entendo que são duas aberturas para o abraço. O carro chega e a porta dele já está aberta pelo manobrista, a minha eu mesmo abro com dificuldade porque os carros tiram a maior fina do meu corpinho congelado. Morro de vergonha que o carro está com cheiro ruim, pra variar, o manobrista sacaneou. Abro os vidros e não digo nada pra não ser rude. Coloco música baixinha pra gente falar baixinho. Paro na farmácia pra comprar camisinha mas dou a desculpa que é um antigripal qualquer. Ele faz que acredita e espera dentro do carro comportadinho e sorrindo. O cara do caixa quer me lançar um olhar mas na hora tem medo de me encarar. Acendo as velas novas que ganhei. Coloco minha estrela azul na tomada que dá o clima perfeito. O cd novo do Beck. Ele está nervoso, comentando sem parar das minhas fotos e livros e cortinas. Eu faço ele parar de falar finalmente. Depois de tudo, ofereço levá-lo e me faço de ofendida quando ele cogita um taxi. Ele pergunta se pode dormir comigo, eu apenas sorrio e apago a luz. Ele acende a luz e pergunta se pode ligar pra avisar uma pessoa. Ele liga pra mãe, que não gosta muito. Ele volta envergonhado pra cama. Mas eu, educada, finjo que já estou dormindo. No dia seguinte eu ligo pra dar bom dia. Ele me avisa que vai viajar no feriado. Eu pergunto com quem e ele diz que aí já estou querendo saber demais. Ele volta a ser homem. Eu desligo e, aliviada, choro como uma mulherzinha.
(Tati Bernardi)

Conceitos relacionados: última mulherzinha ligo antes parecer

' 0.0/5 (0 votos)
Por: admin
autor Nosso Tempo I Esse é tempo de partido, tempo de homens partidos. Em vão percorremos volumes, viajamos e nos colorimos. A hora pressentida esmigalha-se em pó na rua. Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos. As leis não bastam. Os lírios não nascem da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se na pedra. Visito os fatos, não te encontro. Onde te ocultas, precária síntese, penhor de meu sono, luz dormindo acesa na varanda? Miúdas certezas de empréstimos, nenhum beijo sobe ao ombro para contar-me a cidade dos homens completos. Calo-me, espero, decifro. As coisas talvez melhorem. São tão fortes as coisas! Mas eu não sou as coisas e me revolto. Tenho palavras em mim buscando canal, são roucas e duras, irritadas, enérgicas, comprimidas há tanto tempo, perderam o sentido, apenas querem explodir. II Esse é tempo de divisas, tempo de gente cortada. De mãos viajando sem braços, obscenos gestos avulsos. Mudou-se a rua da infância. E o vestido vermelho vermelho cobre a nudez do amor, ao relento, no vale. Símbolos obscuros se multiplicam. Guerra, verdade, flores? Dos laboratórios platônicos mobilizados vem um sopro que cresta as faces e dissipa, na praia, as palavras. A escuridão estende-se mas não elimina o sucedâneo da estrela nas mãos. Certas partes de nós como brilham! São unhas, anéis, pérolas, cigarros, lanternas, são partes mais íntimas, e pulsação, o ofego, e o ar da noite é o estritamente necessário para continuar, e continuamos. III E continuamos. É tempo de muletas. Tempo de mortos faladores e velhas paralíticas, nostálgicas de bailado, mas ainda é tempo de viver e contar. Certas histórias não se perderam. Conheço bem esta casa, pela direita entra-se, pela esquerda sobe-se, a sala grande conduz a quartos terríveis, como o do enterro que não foi feito, do corpo esquecido na mesa, conduz à copa de frutas ácidas, ao claro jardim central, à água que goteja e segreda o incesto, a bênção, a partida, conduz às celas fechadas, que contêm: papéis? crimes? moedas? Ó conta, velha preta, ó jornalista, poeta, pequeno historiados urbano, ó surdo-mudo, depositário de meus desfalecimentos, abre-te e conta, moça presa na memória, velho aleijado, baratas dos arquivos, portas rangentes, solidão e asco, pessoas e coisas enigmáticas, contai; capa de poeira dos pianos desmantelados, contai; velhos selos do imperador, aparelhos de porcelana partidos, contai; ossos na rua, fragmentos de jornal, colchetes no chão da costureira, luto no braço, pombas, cães errantes, animais caçados, contai. Tudo tão difícil depois que vos calastes... E muitos de vós nunca se abriram. IV É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina. Tempo de cinco sentidos num só. O espião janta conosco. É tempo de cortinas pardas, de céu neutro, política na maçã, no santo, no gozo, amor e desamor, cólera branda, gim com água tônica, olhos pintados, dentes de vidro, grotesca língua torcida. A isso chamamos: balanço. No beco, apenas um muro, sobre ele a polícia. No céu da propaganda aves anunciam a glória. No quarto, irrisão e três colarinhos sujos. V Escuta a hora formidável do almoço na cidade. Os escritórios, num passe, esvaziam-se. As bocas sugam um rio de carne, legumes e tortas vitaminosas. Salta depressa do mar a bandeja de peixes argênteos! Os subterrâneos da fome choram caldo de sopa, olhos líquidos de cão através do vidro devoram teu osso. Come, braço mecânico, alimenta-te, mão de papel, é tempo de comida, mais tarde será o de amor. Lentamente os escritórios se recuperam, e os negócios, forma indecisa, evoluem. O esplêndido negócio insinua-se no tráfego. Multidões que o cruzam não vêem. É sem cor e sem cheiro. Está dissimulado no bonde, por trás da brisa do sul, vem na areia, no telefone, na batalha de aviões, toma conta de tua alma e dela extrai uma porcentagem. Escuta a hora espandongada da volta. Homem depois de homem, mulher, criança, homem, roupa, cigarro, chapéu, roupa, roupa, roupa, homem, homem, mulher, homem, mulher, roupa, homem, imaginam esperar qualquer coisa, e se quedam mudos, escoam-se passo a passo, sentam-se, últimos servos do negócio, imaginam voltar para casa, já noite, entre muros apagados, numa suposta cidade, imaginam. Escuta a pequena hora noturna de compensação, leituras, apelo ao cassino, passeio na praia, o corpo ao lado do corpo, afinal distendido, com as calças despido o incômodo pensamento de escravo, escuta o corpo ranger, enlaçar, refluir, errar em objetos remotos e, sob eles soterrados sem dor, confiar-se ao que bem me importa do sono. Escuta o horrível emprego do dia em todos os países de fala humana, a falsificação das palavras pingando nos jornais, o mundo irreal dos cartórios onde a propriedade é um bolo com flores, os bancos triturando suavemente o pescoço do açúcar, a constelação das formigas e usurários, a má poesia, o mau romance, os frágeis que se entregam à proteção do basilisco, o homem feio, de mortal feiúra, passeando de bote num sinistro crepúsculo de sábado. VI Nos porões da família orquídeas e opções de compra e desquite. A gravidez elétrica já não traz delíquios. Crianças alérgicas trocam-se; reformam-se. Há uma implacável guerra às baratas. Contam-se histórias por correspondência. A mesa reúne um copo, uma faca, e a cama devora tua solidão. Salva-se a honra e a herança do gado. VII Ou não se salva, e é o mesmo. Há soluções, há bálsamos para cada hora e dor. Há fortes bálsamos, dores de classe, de sangrenta fúria e plácido rosto. E há mínimos bálsamos, recalcadas dores ignóbeis, lesões que nenhum governo autoriza, não obstante doem, melancolias insubornáveis, ira, reprovação, desgosto desse chapéu velho, da rua lodosa, do Estado. Há o pranto no teatro, no palco ? no público ? nas poltronas ? há sobretudo o pranto no teatro, já tarde, já confuso, ele embacia as luzes, se engolfa no linóleo, vai minar nos armazéns, nos becos coloniais onde passeiam ratos noturnos, vai molhar, na roça madura, o milho ondulante, e secar ao sol, em poça amarga. E dentro do pranto minha face trocista, meu olho que ri e despreza, minha repugnância total por vosso lirismo deteriorado, que polui a essência mesma dos diamantes. VIII O poeta declina de toda responsabilidade na marcha do mundo capitalista e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas prometa ajudar a destruí-lo como uma pedreira, uma floresta um verme. (Carlos Drummond de Andrade)

Conceitos relacionados: tempo i esse homens partidos em partido tempo tempo

' 0.0/5 (0 votos)
Por: admin
autor Quando a gente sonha o universo conspira a nosso favor! Uma queda do 10° andar machuca tanto qanto uma queda do 3°... Se eu tiver que cair que seja de lugares bem altos Nada neste mundo é totalmente errado... até um relógio parado fica certo duas vezes ao dia Onde está seu coração alí estará também o seu tesouro. (O Alquimista) Os construtores podem demorar anos em suas tarefas mas um dia terminam tudo. Então param, e ficam limitados por suas próprias paredes. A vida perde o sentido quando a construção acaba. Mas existem os que plantam. Estes às vezes sofrem com as tempestades, as estações, e raramente descansam. Mas ao contrário de um edifício, o jardim jamais pára de crescer. E, ao mesmo tempo que exige a atenção do jardineiro, também permite que, para ele, a vida seja uma grande aventura. Os jardineiros se reconhecerão entre si _ Porque sabem que na história de cada planta está o crescimento de toda a Terra. Sempre existe no mundo uma pessoa que espera outra... E quando essas pessoas se cruzam, e seus olhos se encontram, todo o passado e todo o futuro perdem qualquer importância, e só existe aquele momento, e aquela certeza incrível de que todas as coisas debaixo do sol foram escritas pela mesma Mão. A Mão que desperta o amor... Olho o mundo com meus olhos e não com os olhos dos outros (A Bruxa de Portobello) É preciso correr riscos... só entendemos direito o significado da vida quando deixamos que o inesperado aconteça... (Na margem do Rio Piedra...) Escreve. Seja uma carta, um diário ou umas notas enquanto falas ao telefone, mas escreve. Procura desnudar a tua alma por escrito, ainda que ninguém leia; ou, o que é pior, que alguém acabe lendo o que não querias. O simples acto de escrever ajuda-nos a organizar o pensamento e a ver com mais clareza o que nos rodeia. Um papel e uma caneta fazem milagres, curam dores, consolidam sonhos, levam e trazem a esperança perdida. As palavras têm poder. É preciso correr riscos, seguir certos caminhos e abandonar outros. Nenhuma pessoa é capaz de escolher sem medo. É preciso não relaxar nunca, mesmo tendo chegado tão longe. Existem momentos na vida que a única alternativa possível é perder o controle. (Paulo Coelho)

Conceitos relacionados: nosso gente sonha conspira quando

' 0.0/5 (0 votos)
Por: admin

Foram encontrados 301 resultados para esta busca